Mitos sobre o transtorno bipolar

por Guido Boabaid
23/05/2023 29/12/2023

O transtorno bipolar é um transtorno mental que leva a mudanças de humor, de energia e na capacidade de realizar tarefas cotidianas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 140 milhões de pessoas no mundo possuem a doença, sendo uma das principais causas de incapacidade.

Quando alguém que muda de ideia ou opinião é descrita como “bipolar” em tom de brincadeira, isso reforça o estigma social acerca do transtorno. No entanto, bipolaridade é coisa séria e é preciso vencer esse tabu.

Pensando nisso, preparamos esse conteúdo com os principais mitos sobre o transtorno bipolar.

Acompanhe a leitura!

O que é o transtorno bipolar e os principais sintomas?

A bipolaridade é um transtorno cerebral que causa mudanças de humor, de energia e na capacidade de realizar tarefas cotidianas.

Pacientes bipolares sofrem mais do que uma simples mudança de humor. Além disso, suas crises apresentam picos muito contrastantes de euforia e depressão. Os sintomas podem afetar as relações pessoais e a carreira profissional.

Primordialmente, a doença se divide em dois episódios: o maníaco e o depressivo. Com isso, os sintomas psicóticos da bipolaridade são bem distintos dependendo da fase em que o paciente se encontra. A partir disso, é possível que um episódio una sintomas dos dois quadros.

Saiba mais sobre cada um dos episódios a seguir.

Sintomas de transtorno bipolar no episódio maníaco

  • Ficar eufórico e exaltado;
  • Apresentar muita energia para realizar tarefas;
  • Aumentar os níveis de atividade;
  • Ficar nervoso;
  • Falar mais rápido do que o normal, unindo diversos assuntos;
  • Ficar agitado ou irritado com facilidade;
  • Sentir que seus pensamentos estão com uma velocidade acima do normal;
  • Fazer coisas arriscadas ou no impulso, como gastar muito dinheiro.

Sintomas de transtorno bipolar no episódio depressivo

  • Pouca energia, dificuldade em sair da cama;
  • Ficar muito triste e sem perspectivas;
  • Diminuir os níveis de atividades;
  • Ter insônia ou hipersônia;
  • Sensação de preocupação e vazio;
  • Dificuldades para se concentrar;
  • Alteração no apetite;
  • Pensamentos negativos.

Transtorno bipolar: 6 mitos

Confira a seguir os 6 mitos mais comuns sobre transtorno bipolar.

1. Transtorno bipolar é apenas oscilação de humor normal

O transtorno bipolar envolve mudanças extremas de humor, no entanto, essas oscilações são muito mais intensas e persistentes do que as flutuações normais de humor. Os episódios de mania e depressão na bipolaridade são graves e, portanto, podem ter um impacto significativo na vida diária do indivíduo.

2. O transtorno bipolar afeta apenas o humor

O transtorno bipolar não se limita apenas às flutuações de humor. Também pode afetar o sono, o apetite, o nível de energia, a concentração e o padrão de pensamento. Além disso, algumas pessoas com bipolaridade podem experimentar sintomas psicóticos durante os episódios de mania ou depressão.

3. A medicação é a única forma de tratamento para o transtorno bipolar

Embora a medicação seja frequentemente usada para tratar a bipolaridade, o tratamento abrangente geralmente envolve uma combinação de medicamentos, terapia psicossocial e mudanças no estilo de vida. A terapia psicossocial, como a terapia cognitivo-comportamental e a terapia interpessoal, pode ajudar na compreensão da condição, no manejo dos sintomas e consequentemente no desenvolvimento de habilidades de enfrentamento.

4. O transtorno bipolar afeta apenas adultos

Embora o transtorno bipolar seja frequentemente diagnosticado na idade adulta, também pode se manifestar na adolescência ou até mesmo na infância. É essencial estar atento aos sinais de mudanças de humor, bem como o comportamento e funcionamento mental nas crianças e buscar avaliação profissional, se necessário.

5. Os altos e baixos são iguais

Infelizmente, é frequente que pessoas com transtorno bipolar passem mais tempo em estados depressivos do que em períodos de euforia. O transtorno bipolar não é uma doença equilibrada, e embora os episódios de mania possam ter aspectos positivos, os períodos de depressão podem ser extremamente difíceis e ocorrer com maior frequência.

6. O transtorno é fácil de ser diagnosticado

Assim como em muitos casos de transtornos mentais, o diagnóstico da bipolaridade ainda é uma tarefa desafiadora. Apesar de existirem indicadores biológicos, eles ainda carecem de especificidade, o que impede a identificação precisa através de exames de sangue ou de imagem.

Além disso, o estigma, o medo e a vergonha também contribuem para a complexidade do diagnóstico. Muitas pessoas encontram dificuldades em compreender que o transtorno bipolar não é apenas uma questão de frescura ou hipersensibilidade, mas sim uma doença legítima.

Assim, mesmo com suas dificuldades e fases, através de um diagnóstico preciso e um tratamento eficaz, é possível conviver com o transtorno no dia a dia.

Conte com a GnTech

Há 11 anos, a GnTech vem contribuindo com a medicina no Brasil, com o propósito de oferecer saúde e bem-estar, trabalhando para descobrir novas oportunidades de oferecer qualidade de vida e tornar a saúde cada vez mais precisa e personalizada para as pessoas.

Entre em contato conosco e saiba mais.

O teste farmacogenético para bipolaridade pode ser feito no Brasil. O laboratório GnTech® é pioneiro na realização do exame do país e possui dois exames que analisam os medicamentos utilizados no tratamento do transtorno bipolar

TotalGene®

O TotalGene é a versão mais completa do farmacogenético, analisando 175 fármacos e 60 genes. Ele é indicado para quem quer ter uma base personalizada de dados, guiando vários tratamentos para quem enfrenta doenças com especificidades diferentes. 

Abrange medicamentos das áreas de Psiquiatria, Cardiologia, Oncologia, Infectologia, entre outras.

PsicoGene®

O teste farmacogenético PsicoGene indica quais medicamentos e dosagens tendem a ser mais seguros no tratamento da Depressão, Ansiedade, TDAH, Bipolaridade, Síndrome do Pânico e doenças da mente em geral. 

O PsicoGene analisa 95 fármacos e 32 genes da família dos antidepressivos, antipsicóticos, ansiolíticos, anticonvulsivantes, estabilizadores de humor, psicoestimuladores, entre outros.

Postagens relacionadas

Deixe um Comentário