Como a saúde mental afeta o intestino?

por Guido Boabaid
18/01/2024 01/02/2024

O intestino é composto por uma rede complexa de neurônios, chamado de sistema nervoso entérico, que é capaz de funcionar de forma autônoma, sem a necessidade de comandos do cérebro. Todavia, o cérebro também pode influenciar o funcionamento do sistema nervoso entérico, por meio de neurotransmissores e hormônios. Por isso, sempre que olhamos para a nossa saúde, devemos levar em conta todas as variáveis, pois uma impacta sobre a outra.

Um exemplo é a ansiedade, que pode causar sintomas como dor abdominal, diarreia ou constipação. A depressão também pode estar associada a alterações no funcionamento do intestino.

O que a ansiedade faz no intestino?

A ansiedade é uma resposta natural do corpo a situações de estresse. No entanto, quando a ansiedade é crônica, pode levar a alterações no funcionamento do intestino.

A ansiedade pode causar sintomas como:

  • Dor abdominal
  • Diarreia ou constipação
  • Náuseas ou vômitos
  • Distensão abdominal

Esses sintomas são causados pela liberação de neurotransmissores e hormônios, como o cortisol e a adrenalina, que aumentam a atividade do sistema nervoso entérico.

Quais são os fatores que afetam a microbiota intestinal?

A microbiota intestinal, também conhecida como flora intestinal, é um conjunto de bactérias que vivem no intestino. A microbiota desempenha um papel importante na saúde intestinal, mas que também pode afetar a saúde mental. Como, por exemplo, pela produção de neurotransmissores. O microbioma produz diversos neurotransmissores, incluindo a serotonina, que é conhecida como o “hormônio da felicidade”. Dessa forma, a serotonina é um agente determinante na regulação do humor, do sono, do apetite e da dor.

E sim! Existe serotonina no intestino e ela desempenha um papel importante na regulação do trânsito intestinal, na absorção de nutrientes e na proteção contra infecções. Sendo assim, pessoas com alguns transtornos mentais, como ansiedade e depressão, têm uma menor quantidade de bactérias produtoras de serotonina e uma maior quantidade de bactérias produtoras de citocinas pró-inflamatórias. Mas e o que define quais são as bactérias presentes no nosso intestino?

Bom, a microbiota intestinal é influenciada por diversos fatores, incluindo:

  • Alimentação: A dieta é um dos principais fatores que influenciam a microbiota intestinal. Uma dieta rica em frutas, vegetais, legumes e fibras ajuda a manter a microbiota saudável.
  • Estresse: O estresse pode alterar a microbiota intestinal, aumentando o número de bactérias nocivas.
  • Uso de antibióticos: Os antibióticos podem matar bactérias boas e ruins, levando ao desequilíbrio da microbiota.
  • Doenças crônicas: As doenças crônicas, como a diabetes e a doença inflamatória intestinal, também podem afetar a microbiota intestinal.

Quais as funções do microbioma do intestino?

O microbioma do intestino desempenha diversas funções importantes para a saúde, além da produção de neurotransmissores, incluindo:

  • Digestão: ajudando a digerir os alimentos e a absorver nutrientes.
  • Proteção: auxiliando na proteção do corpo contra infecções.
  • Controle do sistema imunológico: A microbiota intestinal influencia o funcionamento do sistema imunológico.

Portanto, melhorar a microbiota intestinal pode ajudar a melhorar o humor, reduzir a inflamação e melhorar a comunicação entre o intestino e o cérebro. Desse modo, pode levar a uma melhora na saúde mental, incluindo a redução dos sintomas de transtornos mentais.

Como melhorar a microbiota intestinal?

Existem diversas maneiras de melhorar a microbiota intestinal, incluindo:

  • Alimentação saudável: Uma dieta rica em frutas, vegetais, legumes e fibras ajuda a manter uma microbiota saudável. E com uma maior ingestão de alimentos fermentados, como kombucha, kerfir e iogurte.
  • Atividade física: A atividade física ajuda a aumentar a diversidade da microbiota intestinal.
  • Redução do estresse: O estresse pode prejudicar a microbiota intestinal.
  • Evitar antibióticos: Os antibióticos podem matar bactérias boas e ruins, levando ao desequilíbrio da microbiota.

Então, para quem melhorar e prevenir os sintomas de transtornos da saúde mental, existem alguns alimentos que você pode incluir na sua alimentação, e que podem ser seu braço direito, como aliados no tratamento, quanto na prevenção, de doenças como a depressão:

  • Frutas e vegetais: As frutas e vegetais são ricos em vitaminas, minerais e fibras, que são essenciais para a saúde mental.
  • Proteínas magras: As proteínas magras, como as carnes magras, o peixe e as leguminosas, ajudam a manter os níveis de serotonina.
  • Gorduras saudáveis: As gorduras saudáveis, como as gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas, também ajudam a manter os níveis de serotonina.

Dica: o Abacaxi!  O abacaxi é rico em triptofano, um aminoácido que é precursor da serotonina, hormônio da felicidade!

Conclusão

A saúde intestinal e a saúde mental estão intimamente ligadas. O intestino é conhecido como o “segundo cérebro” do corpo, pois produz diversos neurotransmissores, incluindo a serotonina, que é conhecida como o “hormônio da felicidade”. Logo, cuidar da saúde intestinal é fundamental para a saúde mental. Portanto, é importante lembrar que a saúde intestinal é apenas um dos fatores que influenciam a saúde mental. Outros fatores, como a genética, o ambiente e os fatores psicológicos, também desempenham um papel importante. Por fim, manter a saúde intestinal é uma medida bem-estar geral.

Postagens relacionadas

Deixe um Comentário