Síndrome de FOMO: entenda o medo de ficar fora de algo (offline mas principalmente online)

por Guido Boabaid
28/12/2023 23/02/2024

A tecnologia moderna trouxe inúmeras melhorias à nossa vida, mas também introduziu novas preocupações psicológicas, e uma delas é a Síndrome de FOMO. Você já ouviu falar desse termo? FOMO é uma abreviação para “Fear of Missing Out”, que em português significa “Medo de Perder Algo”.

Ao acordar, a primeira coisa que costumamos fazer é pegar o celular e se deparar com uma série de diferentes estímulos, desde conversas no whatsapp, até memes e posts nas redes sociais. Normalmente, ao se deitar, acontece o mesmo. No entanto, quando em excesso, o uso do celular e das tecnologias pode ser prejudicial, causando justamente essa sensação de dependência e a sensação de estar perdendo informações quando longe de tais tecnologias.

Já teve a sensação de que se não acompanhasse cada detalhe de um show bacana nos stories do seu amigo você ficaria por fora? Ou que se não comparecesse à uma festa super esperada da sua cidade perderia algo importante? Então, esse conteúdo é para você.

Neste blog, exploraremos o que é a Síndrome de FOMO, suas causas, sintomas e como lidar com ela. Acompanhe a leitura!

O que é a Síndrome de FOMO?

A Síndrome de FOMO é caracterizada pelo medo intenso de perder uma experiência ou oportunidade social que outros estão vivenciando. Isso geralmente ocorre devido à exposição constante a mídias sociais, onde vemos nossos amigos, familiares e colegas participando de eventos, viajando para lugares incríveis, ou simplesmente aproveitando a vida de maneiras que parecem emocionantes. É aquela velha história de “a grama do vizinho sempre parece mais verde”.

A sensação de estar perdendo algo pode causar ansiedade, estresse e até mesmo depressão em algumas pessoas. É importante entender que, embora a Síndrome de FOMO seja uma preocupação crescente em nossa sociedade digital, ela não é reconhecida como uma condição médica oficial.

Imagem representando a FOMO no dia a dia. A pessoa se sente ansiosa e aflita e com medo de perder algo, tanto online quanto offline.

Mas afinal, como surgiu o termo FOMO?

O termo FOMO foi criado no ano de 2000 pelo estrategista de marketing Dan Herman, porém, foram nos anos seguintes que pesquisadores associaram essa síndrome com o desejo de estar por dentro de tudo que as outras pessoas estão fazendo.

Antigamente, o assunto não era algo evidente e comum de se ouvir falar, porém, com o avanço das redes sociais e do universo digital, tornou-se cada vez mais conhecido.

Síndrome de FOMO e redes sociais: qual a ligação entre eles?

Não é nenhuma novidade que em excesso tudo faz mal, e quando o assunto é redes sociais, não é diferente. Hoje, muito se fala sobre os riscos do uso excessivo de telas, em crianças, inclusive, estudos têm mostrado cada vez mais a relação entre o uso excessivo de tecnologias e diagnósticos precoces e equivocados de autismo, TDAH, entre outros.

Vale ressaltar que não há uma receita específica para evitar que a tecnologia se torne um “vício” (o vício em celular leva o termo de nomofobia), no entanto há alguns hábitos que podem ajudar. O importante é adequar à sua rotina e ver o que funciona melhor. No geral, as principais dicas gerais incluem:

  • Evitar o uso de telas assim que acordar e próximo da hora de dormir;
  • Tentar substituir o uso da celular e das redes sociais por uma leitura ou alguma outra atividade prazerosa ou relaxante;
  • Utilizar aplicativos de monitoramento de tempo de uso (Celulares da apple, por exemplo, fornecem essa modalidade já no celular);
  • Ativar o modo “noturno” do celular, limitando seu uso em determinado horário
  • Silenciar ou desativar notificações;
  • Estabeleça limites, definindo máximo de tempo ou de uso do aparelho celular;
  • Ficar mais “off” nos finais de semana ou em dias de descanso.

Causas da síndrome de FOMO

Várias causas podem contribuir para o desenvolvimento da Síndrome de FOMO:

  1. Mídias Sociais: As plataformas de mídia social nos expõem constantemente às vidas aparentemente perfeitas de outras pessoas, criando um senso de inadequação e a sensação de estar perdendo algo importante.
  2. Comparação: A tendência natural de comparar nossa própria vida com a dos outros pode levar ao FOMO. Muitas vezes, esquecemos que as pessoas compartilham apenas os aspectos positivos de suas vidas online.
  3. Pressão social: A pressão para estar sempre conectado e participar de eventos sociais pode ser intensa, levando as pessoas a se sentirem obrigadas a participar de tudo.
  4. Medo de isolamento/necessidade de validação externa: o medo de ser excluído ou perder conexões sociais pode intensificar a Síndrome de FOMO.

“Será que estou com FOMO?”: conheça os sintomas

Você está literalmente o tempo todo conectado

Você vai ao banheiro e leva o celular. Nas refeições, está com o celular. Está num evento social, adivinha? Lá está você de novo no celular.

Essa necessidade de sempre estar no celular e ter a necessidade de sempre checar tudo, como as redes sociais e as notificações, é um sinal de alerta. Pode tratar-se de um sintoma de FOMO.

Você fala “sim” para tudo e todos

Hoje, com as redes sociais em mãos, conseguimos ver e receber convites com maior facilidade, criando eventos e grupos no whatsapp.

Esses eventos acabam por se tornar tão convidativos que às vezes, acabamos aceitando no automático, sem parar para refletir se é nossa real vontade. No entanto, isso pode ser ruim, afinal, acabamos por negligenciar nossas próprias escolhas e vontades.

Mulher se sentindo sobrecarregada com tantas demandas.

Você tem comportamentos impulsivos

Com o uso excessivo de tecnologias, é comum que nos tornemos mais imediatistas, querendo tudo para ontem, o que acaba se refletindo também em algumas das nossas escolhas do dia a dia, tendendo à uma maior impulsividade.

Comprar algo apenas porque está no “hype” do momento, ou assumir tarefas e demandas em excesso sem ter certeza se conseguirá cumpri-las são alguns exemplos disso.

Você sente alterações no humor

Quando passamos muito tempo acompanhando a vida dos outros ou em constante comparação mais ansiosos ou até mesmo mau-humorados nos sentimos.

A Síndrome de FOMO vai aos poucos afetando o nosso bem-estar e saúde mental, ocasionando em um destaque constante.

Você tem dificuldade de se concentrar

Com o celular em mãos e disponibilidade do uso de redes sociais no computador, é muito mais fácil ter dificuldades para se concentrar, principalmente com tantos estímulos de mensagens, notificações, notícias, entre outros.

Portanto, se isso ocorre frequentemente com você, a ponto de atrapalhar suas atividades diárias, mas um sinal de alerta para você prestar atenção.

Como lidar com o FOMO

Felizmente, é possível lidar com a Síndrome de FOMO e reduzir seu impacto na sua vida. Além de limitar o uso das redes sociais, é importante adotar algumas outras estratégias como:

  • Pratique o autocuidado;
  • Defina prioridades e defina seus limites;
  • Ocupe o tempo livre com outras atividades;
  • Viva os momentos presentes com intensidade (práticas como meditação e mindfulness podem ajudar).

Conclusão

Portanto, lembre-se de que todos podem estarem suscetíveis a vivenciarem a Síndrome de FOMO em algum momento, mas é importante encontrar um equilíbrio saudável entre a vida offline e online. Não deixe que o medo de perder algo afete negativamente sua saúde mental e bem-estar. No caso de dificuldades quanto à essa questão, é importante contar com o apoio de um profissional especializado na área de saúde mental, como psicólogo ou psiquiatra.

Conte com a GnTech

Há 12 anos, a GnTech vem contribuindo com a medicina no Brasil, com o propósito de oferecer saúde e bem-estar, trabalhando para descobrir novas oportunidades de oferecer qualidade de vida e tornar a saúde cada vez mais precisa e personalizada para as pessoas.

Contamos com Testes Farmacogenéticos voltados para a depressão e demais transtornos relacionados à saúde mental.

Entre em contato conosco e saiba mais.

Postagens relacionadas

Deixe um Comentário