Marie Claire: Leitora conta como venceu a depressão com o teste genético da Gntech

59-brasileiros-tem-depressao-veja
59% dos brasileiros têm depressão, aponta pesquisa
21 de agosto de 2019
Anfarmag: Farmacogenética favorece prescrição individualizada de medicamentos - teste genético para depressão gntech
Anfarmag: Farmacogenética favorece prescrição individualizada de medicamentos
12 de setembro de 2019

Marie Claire: Leitora conta como venceu a depressão com o teste genético da Gntech

marie-claire-leitora-com-depressao-exame-teste-genetico-gntech

Em depoimento publicado pela revista Marie Claire no dia 02/09, a leitora catarinense Valdesia Alves Albino contou como conseguiu superar uma depressão após fazer o teste genético da Gntech. A dona de casa havia realizado diversos tratamentos para o transtorno, que persistiu por 20 anos, sem obter melhora. Na última década, Valdesia desenvolveu também síndrome do pânico e ansiedade.

“Passei 35 dias numa clínica mais distante. Fiz tudo o que estava em meu alcance e no da medicina, e nada resolvia. Eu estava totalmente paralisada. Parei de dirigir, de sair, só ficava em casa e tinha muita ansiedade. Não conseguia fazer meus serviços diários, não tinha mais vida social: eu sempre trabalhei nas pastorais da igreja, viajava. Não pude fazer mais nada, tive que ficar totalmente parada”, conta Valdesia.

A família sentiu as consequências do quadro depressivo. Foi o marido quem pediu para que uma das filhas pesquisasse sobre o teste genético, que ouviu falar pela primeira vez em uma entrevista em que o jornalista Jorge Pontual contava que havia realizado o exame e obtido sucesso em seu tratamento. A filha estudante de Medicina encontrou o contato da Gntech e foi atrás para que ela fizesse o exame.

“O médico viu pelo teste que eu tinha produção muito baixa de metilfolato, de ácido fólico, e o meu organismo assimilava muito pouco a medicação, então eu teria que ter uma mais alta. Ele mudou o tratamento, e dentro de três meses eu já estava vendo a diferença. Foi maravilhoso! Nunca imaginei que em tão pouco tempo eu ia ter uma resposta tão positiva.

Com um ano de tratamento, que completei no mês passado, eu me sinto totalmente recuperada. Voltei às minhas atividades, a dirigir, sair, coisas que eu não lembrava nem que poderia fazer. Acho que fiquei muito melhor do que eu era antes. Imagina: vinte anos tomando várias medicações e nada resolvia. Esse médico foi uma bênção na minha vida. Para mim, foi até uma coisa sobrenatural, porque eu não imaginava mais que poderia sair daquela crise que estava vivendo.”

O exame analisa como os genes interferem nos medicamentos para tratamentos de doenças como depressão e ansiedade. Através da análise em relação a fatores como metabolismo, resposta e toxicidade, o exame auxilia o médico a verificar quais medicamentos devem ser mais eficazes, quais não devem gerar resultados e quais oferecem mais risco de efeitos colaterais.

Saiba mais sobre o teste aqui.

Leia a matéria da Marie Claire sobre a leitora que fez o teste genético para depressão na íntegra.

Deixe uma resposta